Recortes

Eu não me envergonho de corrigir os meus erros e mudar as opiniões, porque não me envergonho de raciocinar e aprender. Alexandre Herculano

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Acordo Ortográfico

Eu não sei se estou a ser um pouco teimosa, e desde já agradeço a opinião de quem estiver interessado, mas esta coisa do acordo ortográfico não me está a entrar na pele.
Não que eu não tenha lido já muitas opiniões sobre o assunto mas admito que o meu "período de habituação" vai ser longo.
Ao que entendi, o que se pretende é a unificação do idioma que pretende beneficiar sobretudo (mais uma vez segundo a minha análise) o ensino da Língua Portuguesa no mundo, mas será que é mesmo assim? Será que não estamos a perder um pouco da nossa identidade cultural?
O primeiro vislumbre da escrita com as novas regras, foi no início do ano quando o Record foi impresso de acordo com o novo acordo ortográfico. Ao passar os meus olhos pelos textos, senti uma certa tristeza e, admito, alguma confusão. Chamem-me saudosista e tudo o que se possa chamar, mas pareceu-me sentir que aquilo não era nosso.
É claro que eu sei que a Língua é mesmo assim e, para quem nunca estudou a evolução da mesma, basta-lhe pegar numa obra como Os Lusíadas para ver as alterações de escrita sofridas desde então. Mas com todo o respeito, parece-me que estamos a perder alguma identidade e a "abrasileirar" a nossa Língua... contudo, encontro-me disponível para entender a lógica de toda esta questão.

6 comentários:

ana disse...

Compreendo perfeitamente. Também estou de "pé atrás" com esta situação do acordo. Há algum tempo quando se começou a falar no assunto deram alguns exemplos do que seria alterado e a grande maioria das "nossas" palavras seriam adaptadas para português do Brasil. Talvez com algum patriotismo e defesa do que é nosso pensei «porque não o contrário?» Sinceramente também não me estou a ver a utilizar com facilidade as expressões "abrasileiradas" e sinto que quando assim escrever estarei a escrever mal. Que me desculpem os cidadãos brasileiros que possam ler este comentário, que nada tem de racista ou xenófobo, mas é antes a defesa daquela que é a MINHA língua e a forma como a utilizo. Fernando Pessoa disse «a minha Pátria é a língua portuguesa». ok, mas sem sentir que estou a ler/escrever erros de ortografia quando este Acordo entrar em vigor.

Shin_Tau disse...

Olá meu doce,

bem...eu partilho algumas das tuas opiniões. O meu tempo de habituação também vai ser longo, primeiro porque não vou escrever de acordo com o acordo.
Enquanto professora terei de aceitar as mudanças nos escritos dos outros, mas eu não vou mudar, pelo menos não tão cedo.
Creio, e também é minha opinião, que os acordos não podem partir apenas de um país e se o Brasil já aceitou outros acordos, é natural que Portugal também tenha de aceitar.
De facto, a língua está em constante mudança e parece-me lógico que letras surdas desaparecam da escrita, pelo menos haverá menos erros ortográficos.
Quanto ao resto apenas o tempo o dirá...mas não deixo de pensar que a Língua é nossa e que não deveríamos mudar apenas porque no Brasil se escreve de outra forma, mesmo que seja para simplificar.
Retrógada, talvez, saudosista, sempre! Não fosse eu portuguesa :)

Beijocas e bela reflexão, muito bem escrita!

Marise Catrine disse...

Obrigada pelos apontamentos. E é exactamente essa a questão, não quer dizer que não faça algum sentido e é a Língua em evolução. Mas há algo na nossa identidade que nos prende à mesma.
Já nem falei do que se passa actualmente com a nossa juventude que escreve tudo com abreviaturas que não fazem sentido (pelo menos para mim). Que diriam Camilo Castelo Branco, Fernando Pessoa ou Eça de Queirós???

Cadinho RoCo disse...

Temo haver alguma deformação naquilo que proposto está pela reforma ortográfica, que já digo sentir ser mais simples do que se imagina. Fato é que a reforma envolve a ortografia e até onde sei, que nem é tanto, não atinge o nosso expressar, propriamente dito. Aquelas mesmas palavras com significados distintos no Brasil e em Portugal permanecem fiéis ao que querem dizer cá no Brasil ou em Portugal. Tenho um exemplar da reforma ortográfica em mãos e pelo que leio e averiguo, as mudanças nem são tão complicadas assim.
Cadinho RoCo

Shin_Tau disse...

My love,

fugindo ao assunto, o seminário é no fim-de-semana, começa na sexta à noite e termina no domingo. Sempre podes ficar cá em casa, não há problemas com isso!

Even if I'm not there, I'm always here and here is everywhere.

:***

Marise Catrine disse...

Caro amigo "Cadinho Roco",
Obrigada pelo post. É sempre bom ouvir novas opiniões!! Realmente, eu ainda tenho muito trabalho de pesquisa por fazer e comprar um bom exemplar da dita reforma é urgente. Como tudo na vida será mais uma questão de hábito mas por enquanto é difícil deixar para trás certos apontamentos tão tipicamente portugueses.
Espero vê-lo por cá mais vezes.
Marise Catrine