Recortes

Eu não me envergonho de corrigir os meus erros e mudar as opiniões, porque não me envergonho de raciocinar e aprender. Alexandre Herculano

quinta-feira, 26 de março de 2009

Naquele dia

Naquele dia seria o último em que nos iriamos ver. Iria ser uma despedida dura e forçada, mas tinha que ser assim.
Conduzi seis horas para aquele que seria o fim do meu abismo e o erguer de um novo eu.
Cheguei sem saber se te queria ver. A minha missão era outra e essa estava completa por isso não te procurei.
Aguardei uns instantes e respirei fundo. Sentia-me sem saber o que sentir... mas tinha que ser assim.
Por pouco desencontravamo-nos, mas tu apareceste. Naquele primeiro olhar que te dei pensei em como estavas lindo e como serias sempre o homem dos meus sonhos. Inclinaste-te para me cumprimentar e eu recusei.
"É assim que isto termina?" - interrogaste. Eu pensei o mesmo.
"É!" - respondi.
Separamo-nos e eu não chorei. Deixei-me embalar no regresso a pensar em como iria começar de novo... em como as coisas tinham que ser assim.
No fundo eu sabia que a nossa história não ia ficar por ali, nem que fosse noutra vida. Tirei a minha lição de vida e aguardei.
Naquele dia... eu cresci.

5 comentários:

ana disse...

Naquele dia parte de ti talvez tenha desaparecido mas o crescimento, a força e a sabedoria que daí retiraste só te podem melhorar como ser humano. Aprendeste a tua lição, aprendeste a conhecer-te e talvez tenhas descoberto capacidades que desconhecias ter. Julgo que a capacidade de escrever este post é uma das provas do teu amadurecimento em relação a tudo. Beijoca grande e amiga.

Marise Catrine disse...

Por hoje e por aqueles dias: Obrigada!

ana disse...

Não tem nada que agradecer ;-) Acho que ficaste a saber - se calhar, já sabias - que muitas pessoas gostam de ti. bjk

Fada Moranga disse...

Ai! Isto é mesmo cármico... Vou continuar a seguir o Amor.
Beijo*deFada

Fada Moranga disse...

Ora bolas, não há mais?

E se eu te der bolo de chocolate? Contas mais? :-)

Beijos***deFada para os pombinhos