Recortes

Eu não me envergonho de corrigir os meus erros e mudar as opiniões, porque não me envergonho de raciocinar e aprender. Alexandre Herculano

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Em todas as ruas...

Em todas as ruas te encontro
Em todas as ruas te perco
conheço tão bem o teu corpo
sonhei tanto a tua figura
que é de olhos fechados que eu ando
a limitar a tua altura
e bebo a água e sorvo o ar
que te atravessou a cintura
tanto, tão perto, tão real,
que o meu corpo se transfigura
e toca o seu próprio elemento
num corpo que já não é seu
num rio que desapareceu
onde um braço teu me procura

Em todas as ruas te encontro
Em todas as ruas te perco

Mário Cesariny

3 comentários:

Shin Tau disse...

Ai como adoro Cesariny...quem me dera ter o dom de versar com ele, além do dom de fazer colagens e quadros mágicos!!!

Lindo poema Marise, adorei esta parte, se é que se pode cortar esta unidade em parte :) rkrkrkrrk
"tanto, tão perto, tão real,
que o meu corpo se transfigura
e toca o seu próprio elemento
num corpo que já não é seu"

LINDO, obrigada por este Momento!

Kisses

Marise Catrine disse...

My Shin,
Concordo em absoluto que esta "parte" é muito intensa.
Obrigada eu por visitares estes momentos tão meus.
Beijocas

Karin disse...

Marise Marise,

Que lindo poema! Sempre a brindar-nos com belos momentos.

Beijinhos*