Recortes

Eu não me envergonho de corrigir os meus erros e mudar as opiniões, porque não me envergonho de raciocinar e aprender. Alexandre Herculano

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Chamo-Te

Chamo-Te porque tudo está ainda no principio
E suportar é o tempo mais comprido.

Peço-Te que venhas e me dês a liberdade,
Que um só de Teus olhares me purifique e acabe.

Há muitas coisas que não quero ver.
Peço-Te que sejas o presente.
Peço-Te que inundes tudo.
E o Teu reino antes do tempo venha
E se derrame sobre a Terra
Em Primavera feroz precipitado.

Sophia de Mello Breyner Andresen


Para mim, este poema sempre representou aquela fé inabalável durante tempos mais tempestuosos. Não pretendo fazer aqui a análise do mesmo, apenas partilhar convosco um dos meus favoritos; o poema que conheço que mais me faz lembrar uma oração. Cada um fará a sua análise; Sophia teria a sua quando o escreveu ;)

5 comentários:

adriana disse...

Marise,
Fé inabalável, confiança, convicção...
Pouco importa o nome.
O importante é saber onde os enontramos.
E você sabe, pois nos remete sempre ao coração...
:)

Adelaide Figueiredo disse...

É de facto muito belo e sublime!

Bjs

Shin Tau disse...

Tão Linduuu Marise

Só tu para teres um poema destes guardado na manga :)

Beijos doces minha querida

Marise Catrine disse...

Adriana,

:)
É nesse AMor que encontro a Luz.

Adelaide,

Obrigada pela passagem por aqui. Ainda bem que gostou.

My lovely Anime,

"uindo" como diria a super Mónica (lol).
Ainda bem que vos tocou. Sinto força nestas palavras.

Beijocas

costela de adão disse...

Bonito.