Recortes

Eu não me envergonho de corrigir os meus erros e mudar as opiniões, porque não me envergonho de raciocinar e aprender. Alexandre Herculano

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Ilusões e Desilusões

Hoje cubro-me com a minha maior manta pois sinto-me desconfortável e confusa. Quando assim é, apetece-me enroscar o meu corpo em algo fofo e esperar que a alma se recomponha.
É com tristeza que chego à conclusão que uma amiga de longos anos, talvez não me queira assim tanto bem. Só pode ser essa a explicação racional para uma série de situações que me têm fustigado.
Quem me conhece sabe que neste momento, por um enorme Amor pelo meu Guerreiro, me encontro longe da minha terra natal, dos meus pais, das minhas irmãs, dos amigos... e nem sempre tem sido fácil aguentar esta distância e alguma solidão.
Assim sendo, é-me de todo incompreensível que alguém próximo de mim, alguém que (re)descobriu a religião há pouco tempo e que se dedica a práticas "esotéricas" , se lembre de me bombardear com mensagens estranhas e negativas.
Vou quebrar uma barreira e exemplificar duas situações. Primeiro porque sinto que preciso escrever o que estou a sentir; Segundo, pois talvez assim alguém me possa esclarecer sobre o que se está a passar e se eu estarei a precipitar-me nas conclusões.
No dia do meu aniversário (que estava a passar sozinha por o Guerreiro estar ausente em trabalho) após um breve telefonema, recebo uma mensagem dessa pessoa a dizer que eu estava estranha e que tinha ido "confirmar". E eis que sou brindada com um vocabulário escuro onde se incluía o estar "carregada de invejas, bruxarias, mau olhado" e afins.
Regra geral não ligo a estas coisas, mas perturbou-me o facto de vir de alguém que sabia que eu estava sozinha e que conhece o tamanho da minha sensibilidade face a situações negativas.
Ontem, com um familiar próximo no hospital a recuperar de uma cirurgia delicada, recebo uma mensagem onde dizia que esteve a falar com o meu pappi sobre esse familiar mas que o achou (ao pappi) "muito abatido, mais magro e a coxear"...

Não encontro uma explicação plausível e sinto uma profunda tristeza com isto tudo. Não sinto boas vibrações... não entendo... Custa-me a acreditar que alguém queira fazer-me sentir pior por estar longe, que alguém próximo seja incapaz de acompanhar a minha felicidade.
Porque eu fico feliz com o bem estar dos outros não lido bem com estas questões. Mais confusão me faz que venha de um ser humano que fala em ajudar toda a gente, que gosta de se mostrar um ombro amigo e quer o reconhecimento de todos.

Estarei com ilusões a mais?
Preciso recompor as minhas ideias, preciso deste momento.

11 comentários:

Maria de Fátima disse...

Olá Marise descobri o seu blogue recentemente mas gostei tanto dele que resolvi oferecer-lhe um selo.Quando quiser e puder pode passar lá no meu blogue a buscá-lo.Beijinhos e muita força para o futuro.

Marise Catrine disse...

Maria de Fátima,
Obrigada. Irei visitá-la com certeza.
Beijocas

costela de adão disse...

Querida Marise, sem palavras...
Mais do mesmo, não é verdade? Às vezes não queremos pensar menos bem das pessoas mas torna-se difícil pensar positivo de quem tem essas atitudes. Se não tem nada de bom para dizer, o melhor é não dizer nada. Devia pelo menos respeitar a distância a que te encontras e a ansiedade que essas conversas te possam causar. Beijos

Essencialma disse...

Olá! Fico triste por essa situação e isso volta a uma questão que comentei à dias...ás vezes as pessoas colam-se a determinada filosofia, mas não a exercem...não a aplicam na vida delas...é como se aquelas pessoas que vão à missa mas depois infringem tudo o que é suposto seguirem.

E se é como dizes, em que a pessoa quer o reconhecimento é evidente que essa pessoa anda perdida...à procura fora da aceitação que ela mesmo não deve ter com ela, pois só queremos fora o que não temos dentro.
Não significa por isso que a pessoa te queira mal, se calhar tu mudaste, escolheste de acordo com o que querias para a tua vida...e ás vezes as pessoas não percebem isso, gostavam que escolhessemos de acordo com o que elas acham correcto, o que as tivessemos em consideração, mais do que a nós próprios.
E repara...isso não é possivel, e é uma grande aprendizagem...mas à pessoas que continuam a achar que o deveriamos fazer...e desse modo nunca seriamos felizes...quantas pessoas teriamos de ter em conta, quando tivesemos de escolher algo para a nossa vida...e depois qd os outros fazem as suas escolhas, como ficamos nós?!

Agora da tua parte...se ela te está a provocar esse sentimento, também, como disse à pouco é porque o tens dentro...é porque ficas sentida, TU...não outra pessoa...Se te faz sentir culpa, é pk tens culpa dentro, se te faz sentir medo de estar a errar, é porque esse sentimento é teu...as pessoas que se cruzam no nosso caminho, e nos fazem sentir determinadas emoções, são meios para acedermos ao que está dentro, por mais dificil que seja isso de entender...é o nosso processo!

Andamos a fazer nesta vida o melhor que conseguimos...talvez a tua amiga não esteja a colocar consciência nela...ajudar os outros, por melhor que pareça aos olhos da sociedade...é uma optima maneira de fugir de nós mesmos e ainda ir buscar fora a auto-estima que não temos...

E pronto...esta é a minha opinião e vale o que vale...eu tb tenho gostado muito desta partilha...porque no caminho, precisamos de pessoas que nos entendam, que nos dêem opinião sem a imporem...que falem a mesma linguagem...

e mesmo sem te conhecer, já gosto de ti!

Beijinho grande...e esse momento, por si já é um trabalho...tu contigo própria!

António Rosa disse...

Marise

Não estás enganada. A sensação que tens é verdadeira, pois foi a tua intuição a funcionar.

Não quer dizer que te afastes dessa amiga, mas se ela anda em «religiões» que praticam essas situações negativas, recomendo-te que tenhas uma conversa franca com ela. O mais certo será ela reagir pela negativa. Protege-te disso.

No entanto, antes de teres essa conversa, fica aqui uma tentativa de ajuda:

- Mentalmente, protege-te dessa negatividade. Como? Tens que fazer uma visualização mental: imaginares que estás dentro de uma bolha energética dourada e que nada de negativo consegue entrar. Podes fazer isso, por exemplo, durante o banho, imaginares que a água que te envolve é pura energia dourada e que te vai proteger. Não chega a ser uma meditação. É uma simples visualização.

Quando estiveres a fazer isso (2 u 3 minutos) aproveita e faz afirmações positivas para ti própria.

Um beijo

Marise Catrine disse...

Costela de Adão,
Obrigada pelas palavras. SOube-me tão bem o telefonema de ontem... acabamos por conseguir rir destas situações e isso fez-me muito bem!!
Fiquei mais clean, mais solta (como eu me considero).
Uma grande beijocas minha querida amiga
(see u next week) ;)

ANTÓNIO,

(posso tratar por tu? Já é um amigo...)

Agradeço do fundo do coração ter dedicado algum tempinho para me aconchegar no cobertor!
Por saber que ela reage negativamente, mais confusa fiquei sobre o que fazer. Não acho que ela seja má pessoa mas perdeu-se algures no meio de uma grande vontade em ser aquilo que não é.
Adorei a "meditação", acho que me vai fazer muito bem naqueles dias em que me sinto mais em baixo; parece-me um bom exercício também para aqueles momentos em que a auto-estima anda mais down (é que eu sou muito exigente comigo própria e às vezes acaba por ir tudo abaixo).
Sempre a aprender com este belo professor ;)
Vou aplicar com toda a certeza.
Mil beijocas.

****

Marise Catrine disse...

Minha linda Essencialma,

Fiquei um bom tempo a pensar nas tuas palavras.
E para mim todas estas opiniões valem muito. Tenho aprendido bastante nesta blogosfera e com estes novos amigos (que espero um dia puder conhecer ;).

As tuas palavras forem de encontro a algumas situações da minha vida. Sei que por vezes me deixo abater com os meus medos e dúvidas (como escrevi no post sobre as amarras), mas penso que aqui também pesou a história que temos para trás. Sei que ela é uma pessoa que não se identifica comigo em muita coisa e já a vi ter atitudes muito pouco acertadas (na minha opinião), mas sempre prevaleceu algum carinho e alguma persistência da minha parte, exactamente por considerar que ela anda perdida (como mencionaste).

Vou continuar a clarificar as minhas ideias e ter em consideração tudo o que já ouvi/li.
Muito obrigada.
Também gosto de ti!!! ****

HAZEL disse...

Olha, Marise... como te entendo.
Por vezes, aqueles dos quais esperamos maior apoio são, justamente, os que nos tiram o tapete de debaixo dos pés quando mais precisamos deles.

Não te deixes abater.
Não serás a primeira nem a única a decepcionares-te com aqueles que julgavas teus amigos. Se eu te contasse certas histórias, até te consideravas uma sortuda...

O facto de ela ter tido a capacidade de te magoar significa que a sua opinião pesa para ti, que estás vulnerável e que precisas de redifinir quem realmente gosta de ti. E que deves fortalecer a tua carapaça.
Não te encolhas ante as suas alfinetadas.
Imagina-te a crescer até chegar às nuvens; ela pequenininha, lá em baixo, a falar em sentimentos inferiores, com o seu blá blá...
Nem já ouves o som da sua voz.

Ora mantém-te aí em cima, nas nuvens. Olha em frente, e verás todo um mundo como nunca o tinhas visto antes.

Beijos mágicos

Marise Catrine disse...

Hazel,

Palavras experientes...
Acho que o "poder" da sua opinião apenas me afecta mais pois fico chocada com a dupla personalidade que esta pessoa começa a evidenciar. Talvez eu seja ingénua, talvez seja a minha mania de acreditar no Amor acima de qualquer coisa.

Sabes que mais, estas trocas e baldrocas com todos ajudam-me muito a ficar aqui nas nuvens. Vou tomar o duche da bolha, pensar positivo e livrar-me das alfinetadas. ;)

Mil beijos.

HAZEL disse...

Marise,

Cuidado com as pessoas que se auto-intitulam "boazinhas, amigas de ajudar o próximo, etc.".
Quem tem um bom coração, não precisa de dizê-lo.
E quem clama ser "bom", não é.
Já dizia Vergílio Ferreira "quem quer ser, não é".

Os verdadeiramente bons, simplesmente são-no.

Marise Catrine disse...

Hazel,

Concordo plenamente. Não precisamos dizer a toda a gente aquilo que somos ou o que temos.´Então é sinal que não o estamos a fazer com o sentimento mas sim com uma vontade enorme de o mostrar aos outros.
Minha querida, a vida é mesmo uma aprendizagem. Que estes exemplos me orientem da melhor maneira, é tudo o que peço.

Obrigada por voltares. Beijoca